Saudade


Saudade


A Saudade fez de mim seu hospedeiro
Não é algo que surge subitamente
E em poucos instantes se vai
Tampouco algo que me moleste constantemente
Causando a sensação de convalescênça...
Sei que é doloroso dizer adeus
Porem essa expressão poucas vezes eu usei.
Pois a saudade que eu sinto não é dos que se foram,
Sim dos que estão presentes, no entanto não são os mesmos.
Tive que presenciar dia após dia a sua partida
E isso se deu aos poucos,
Primeiro a perda da inocência
Pela ausência de um grande amor
Depois a morte dos seus sonhos
Por tantas tentativas frustradas.
E assim tudo se foi e se faz presente.
Seu olhar inerte com nada mais se parece
Do que com o de uma estátua em seu altar,
Sem nada mais a desejar além de que a contemplem
E não a ignorem, pois nada mais pode fazer.
Imagem: Ícaro G. Santos

Sentimento Estéril






Acabou!
Ainda custo a acreditar,
Porem você me diz tão convicta
Que é difícil refutar.

Minhas certezas eram as suas dúvidas
Sua indecisão o meu tormento.
Em seus olhos podia ver nossos filhos
Sobre nós dois, tudo para ti eram momentos.

Ainda luto para vencer o amor
Que fizeste brotar em meu peito estéril.
E a dor incessante que você me traz
Não mascaro por segredo ou mistério.

Amor leviano que tanto me feriu
Rouxinol que cantava na minha janela.
Tornou-me dependente depois partiu
Levando consigo canção tão bela.

Compartilhei meu brilho com você
Levamos junto o mesmo peso
E quando a sua luz se extinguiu
Faltaram-me forças para manter-me aceso.

Roberto Codax

Sobre o autor

“Escrevo pela simples necessidade de sentir meus próprios sentimentos e ouvir meus pensamentos que vagam sem ressonância neste mundo de surdos. Eu escrevo pra tentar compreender a mim mesmo, não para responder questões às quais nunca saberei a resposta.(Roberto Codax)

Roberto Codax. Tecnologia do Blogger.

Playlist